Agora não - Uma criança pode aguentar até um milhão de nãos por dia

Agora não – Uma criança pode aguentar até um milhão de nãos por dia

Agora não – Uma criança pode aguentar até um milhão de nãos por dia

Uma criança pode aguentar até um milhão de nãos por dia. Ela pergunta, você considera, vê que é perigoso demais, caro demais ou barulhento demais e fala não. Um não sofrido, mas que ela entende, porque você sugere outra coisa, fala com carinho. Ela aguenta, ela segue buscando, ela fica até mais criativa depois de um não.

O que machuca é o “agora não”. O “agora não”, aquele sem olhar no olho, sem uma estimativa de um “agora sim”, esse machuca. Esse não deixa a criança mais criativa. Esse deixa a criança se sentindo desimportante.

Ela precisa aprender a lidar com isso, alguém pode dizer. Quanto a isso, não precisa se preocupar. Na escola ela divide a atenção do professor com outros vinte, no mínimo. E ela passa boa parte da infância na escola.

O “agora não” deixa a criança no vácuo. Ela sabe quando você quer e não pode brincar com ela porque está cozinhando ou numa reunião de trabalho.

Mas ela também sabe quando o “agora não” é porque você prefere ver o videozinho da live da celebridade a olhar a torre de lego que ela fez.

Ainda assim ela não te julga. Ela só se sente desimportante.

Em anos de educação infantil, eu jamais conheci uma criança que não adorasse os pais. Muitas delas ficavam das sete da manhã as 7 da noite na escola e os olhinhos brilhavam só de falar dos pais. Criança é assim, te ama sem medida. Ela não te julga pelo tempo perdido. Ela vive no agora.

Mas os adultos insistem em se preocupar com o futuro dos filhos, dentre mil outras coisas, que não o agora . É tanto “agora não” que a hora de passar tempo juntos nunca chega…ou passa voando, num post na linha do tempo.

Acontece que a infância vem e passa. Tem adultos que se esquecem disso. Tem gente que fala tanto “agora não” que quando sente falta da criança, ela já não existe mais. Ela cresceu e não faz mais questão da sua presença.

Por Roberta Maldonado

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *